NotÍcias

Imprimir esta matéria Enviar para um amigo Ver todas as matérias

Morre o teólogo Antônio Gilberto

Publicado em 30-07-2018

Texto: Redação Efrata Music

Tags: meio evangélico  

Pr. Antônio Gilberto era potiguar e recebeu o título de cidadão carioca - Foto: Reprodução
Pr. Antônio Gilberto era potiguar e recebeu o título de cidadão carioca - Foto: Reprodução

Morreu nesta segunda-feira (30), aos 91 anos, no Rio de Janeiro, o pastor assembleiano Antônio Gilberto da Silva. A causa da morte não foi divulgada. O corpo será velado na Assembleia de Deus Ministério de Cordovil (ADMC), no bairro carioca de Brás de Pina, a partir das 19h, e o sepultamento acontecerá nesta terça (31), às 15h, no Cemitério Memorial do Rio, em Cordovil.

Teólogo e uma das mais conceituadas referências da literatura cristã brasileira, Pr. Antônio Gilberto prestou serviços para a Nasa, a agência espacial americana, de 1969 a 1972, e era graduado em Psicologia, Pedagogia e Letras. Ano passado, recebeu da Associação de Escolas Teológicas da América Latina (Aetal) o título de Personalidade Teológica de 2017, por sua contribuição à comunidade evangélica.

Em 1998, por iniciativa do falecido deputado estadual Graça e Paz, o pastor – que era potiguar de Várzeas – recebeu da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) o título de cidadão carioca, “em reconhecimento a sua atuação como mestre em escatologia, escritor e tradutor dos originais da Bíblia Sagrada”.

Consultor doutrinário da Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD), Pr. Antônio Gilberto não se esquivou de opinar em temas polêmicos, como a ordenação de mulheres pastoras, à qual era contra. “Muitas vezes elas fazem o trabalho melhor do que os homens. Mas ordenar para o Santo Ministério não tem base nas Escrituras”, disse, em 2012, em entrevista.

No ano anterior, ele criticara a música na igreja, que, em sua opinião, estava corrompida. “Os neopentecostais e os ‘renovados’ ensinam que ‘a mais elevada forma de oração é o louvor’. Isso é falsificação da doutrina. Como resultado, as antigas vigílias de oração da Assembleia de Deus foram transformadas em ‘vigílias de louvor’, que no final das contas nem é vigília e nem louvor, no sentido estrito destes termos”, afirmou, em artigo no site CPAD News reproduzido na Efrata Music.

Comentários

Copyright Efrata Music Editora. Desenvolvido por Universo Produções.

Visite o canal da Efrata Music no YouTube e assista a vídeos exclusivos.